11 de jul de 2011

Mopho - Volume 3 - 2011




Em 2000, quando a banda lançou seu primeiro disco homônimo ao grupo, causou grande movimentação na mídia especializada, sendo considerada por uns, a banda brasileira mais psicodélica em atividade. Graças a essa boa repercussão que o primeiro álbum causou, o Mopho foi chamado para tocar nos mais importantes festivais do país, como o Festival de Inverno de Garanhuns, Abril Pro Rock, Porão do Rock e Balaio Brasil.

Já quando se preparava para lançar o segundo trabalho do grupo, a banda alagoana se dissolve em 2003.  Em 2004 o Mopho lança “Sine Diabolo Nullus Deus” com apenas dois integrantes da formação original – João Paulo (guitarra e vocais) e Leonardo Pereira (teclados). No mesmo ano os dissidentes do grupo – Júnior Bocão (contrabaixo e vocal) e Hélio Pisca (bateria) lançam “A Terra é nossa Casa Flutuante” com um novo projeto, batizado de Casa Flutuante, e seguem para fixar residência em São Paulo.

Para nossa imensa felicidade, em 2008 os músicos se reencontraram e decidiram que era hora de gravar um novo som. E que som! Eu não gosto muito de ficar procurando definições e conceitos que se encaixem na música, porque estes nunca traduzem bem a sensação que se sente ao ouvi-la. Mas de certo modo preciso tentar passar aos leitores um pouco do que eles vão ouvir no disco. E neste, vão certamente perceber elementos de um rock ‘n’ roll rural, próprio, original, um folk leve e alegre, e muita psicodelia da combinação bem feita entre os instrumentos e os cânticos/letras das canções.

Em uma ou outra música, me lembrei do majestoso som de 20, 30 anos atrás que se fazia aqui em Minas Gerais, com Beto Guedes, Lô Borges, e todo o Clube da Esquina. Não que seja uma referência direta, mas de certo modo ocupou, na minha cabeça, a lacuna deixada pelos grandes músicos mineiros daquela época. Até então, a uns bons anos, ninguém havia explorado tão bem essa vertente, deixando sempre vaga uma lacuna. Isto me obrigava, sempre que queria ouvir um som deste gênero, a ouvir canções antigas (e ótimas!), mas não me deixava encontrar um som atual. Mopho foi fundado há 13 anos e desde que conheço sou grande admirador do trabalho destes músicos e já era hora de dividir esta pérola com vocês.

Obrigado ao pessoal da banda, que nos deu uma força e autorizou a divulgação. Lembramos que o disco físico pode ser adquirido neste link.




mopho - volume 3 2011 by gramofonevirtual

-> Leve este tapa na orelha [DOWNLOAD]




Contato: Twitter
               Facebook
               MySpace

2 comentários:

Leila Carvalho disse...

Olá pessoal do Gramofone Virtual, vi o link do site numa comunidade do orkut sobre música alternativa e resolvi conferir o trabalho de vocês, ainda bem que eu vim!
Gostaria de propor uma brincadeira entre o blog de vocês e o meu ou de outras pessoas que quiserem participar também. Seria assim vocês indicariam uma música para o desafio e eu ou outros participantes escreveríamos uma história ou poesia usando a música como ponto de partida e o contrário também pode ser feito, uma história ou poesia é indicada para receber trilha sonora. Que tal?
Parabéns pelo trabalho e pelo bom gosto musical!

Gramofone Virtual disse...

Legal, Leila, apoiamos sua idéia, mas precisamos conversar melhor sobre como se daria essa troca. Envie-nos um e-mail e conversamo melhor! ;)
gramofonevirtual@gmail.com