25 de out de 2011

Coluna Vertebral: Manual de Sobrevivência da Música Brasileira


Numa manhã destas, trabalhando ao som do novo CD do Wado, que está repleto de boas parcerias, tive um pequeno “insight” que foi o gatilho que despertou em mim o interesse em fazer uma explanação absolutamente parcial e subjetiva sobre o atual momento daquela que acredito ser a mais diversa e bela música do mundo, a brasileira.

Este é o primeiro de uma série de artigos questionadores, introspectivos e reflexivos que farão parte da nossa recém-concebida coluna “Vertebral”, que será apresentada aqui no Gramofone sem frequência determinada. A intenção é publicar as ideias na ordem em que vierem, com o tom e peso em que vierem, sem o compromisso da obrigação imposta pelos prazos.

Tianastácia - Prece Cosmica by gramofonevirtual

Sei que alguns podem questionar minha “pretensão ao escrever um Manual de Sobrevivência da Música Brasileira”, mas é justamente devido a tal pretensão que me atrevo a dissertar sobre o assunto, então vou aumentar o som e seguir em frente. Você pode fazer o mesmo ou pode largar isso agora e procurar algo melhor pra fazer.

O objetivo principal deste artigo é questionar e analisar o cenário musical independente brasileiro e entender o que os artistas podem fazer para se manterem relevantes perante o público, que é o que realmente importa tendo em vista que a mídia tradicional e as gravadoras usam critérios questionáveis para decidir quem deve ou não aparecer para o mundo.

Por causa da quantidade de som que hoje é produzido e pode ser acessado através da internet, a música tem se tornado cada vez mais efêmera e alguns chegaram a defini-la como “descartável”. Músicos que outrora pertenceram à nata suportada por gigantescas multinacionais do entretenimento, hoje precisam conviver com o inquestionável declínio de seu poderio e se questionam como atingir tantas pessoas quanto era possível antes, agora sem tal apoio.

Mesmo quem nunca teve este “empurrãozão“, hoje se depara com a necessidade de inovar o tempo todo, agregando novas tendências sem perder sua característica essencial. Sem espaço na mídia tradicional, que insiste em produzir aberrações pseudo-artístico-musicais e em massificá-los a qualquer custo, bons artistas estão se mexendo em busca de algo que volte a dar retorno em um mercado que passa por um momento de muitas incertezas e instabilidades, mas também de grandes evoluções.

Wado e Zeca Baleiro - Si Próprio by 2luan

Não é novidade que a mistura de ritmos e a regionalização são fortes tendências na música brasileira, mas analisadas mais a fundo podemos ver que são também ótimas estratégias para se manter atualizado e por dentro do mercado. O produtor BiD nos serve de exemplo neste caso, já que acostumado aos encontros de artistas de diferentes gêneros em torno de projetos coerentes, ele lançou nestes últimos dias o “Bambas Dois”, disco que reúne lendas vivas do reggae jamaicano e músicos da nova e velha geração da música popular brasileira. Antes mesmo do lançamento oficial do disco já podíamos afirmar que seria um sucesso, muito em função da qualidade dos profissionais envolvidos no projeto, mas sem dúvida, também por causa do formato do álbum, muito bem escolhido.



No “Bambas & BiritasVol.1”, a ideia de ter no mesmo CD Elza Soares, Rappin’ Hood, Seu Jorge, MarkuRibas, Carlos Dafé, Black Alien e Chico Science deu muito certo e foi adotada também no “Bambas Dois”. Neste se encontram toda a brasilidade do veterano ChicoCésar e o dancehall/raggaeton do jamaicano Jah Marcus, Kymani Marley (filho do rei) e Gonzaguinha (ele mesmo!), Anelis Assumpção e Luiz Melodia, enfim, a fusão de ritmos e confrontação de gerações e ideias, parece mesmo fomentar e ser agente ativo na transformação da música como a entendemos.



Outras possibilidades são as tradicionais e já meio-baleadas opções de gravar um acústico ou um ao vivo com novos arranjos e releituras, mas isto só vale pra quem tem uma carreira sólida e longa. Não me venha lançar um “Banda X Acústico e Ao Vivo” com menos de 10 anos de estrada, hein? Coisa de dupla sertaneja isto.

Como a mídia sempre teve tendência à integração, expandir o contato com o público para outras áreas costuma ser uma escolha acertada, como ocorreu no caso do Lobão, que lançou sua autobiografia “50 Anos a Mil” (que eu mesmo tenho e li em poucos dias porque é realmente muito boa) e continua em evidência na memória do povo tupiniquim. Arnaldo Antunes tem o Grêmio Recreativo na MTV, que reúne uma galera da pesada uma vez por mês pra fazer um showzasso juntos e também tem seus “ao vivos” entre novas composições como o bom “Iê Iê Iê” e “Pequeno Cidadão”, ambos de 2009.

André Abujamra - Tem Luz na Cauda da Flecha by 2luan

É de bom tom ressaltar a importância das novas mídias na distribuição dos novos trabalhos. Nenhuma tática funcionará plenamente se for insistido apenas nos antigos métodos do recriminável “jabá”. É preciso levar a música a nichos antes inimagináveis pelos meios tradicionais (rádio, TV) e a internet em alta velocidade possibilita isto perfeitamente. Não adianta resistir, o conteúdo na rede é e deverá continuar a ser gratuito, portanto é preciso encontrar outras formar de lucrar com o trabalho, que não a venda de antiquados CDs que quase ninguém ouve mais. O projeto para a web deve ainda envolver um bom site, presença constante em todas as redes sociais representativas, e conteúdo atualizado para manter tudo interessante.



Tendo este panorama em mente e adicionando a isto o fortalecimento e crescimento dos festivais no Brasil (muito em função da crescente organização do Circuito Fora do Eixo), passou a ser viável e relativamente fácil produzir encontro entre artistas que em outros tempos nem pensavam em se encontrar. O blog “Compacto”, patrocinado pela Petrobrás pelo segundo ano seguido através de leis de incentivo promove encontros entre músicos para uma conversa com temas enviados pelo público do site, e claro, pra uma boa dose de parcerias sonoramente experimentais.

Felizmente não é mais um espanto ouvir levadas de carimbó numa “música de rock”, ou batidas de rap com letras de MPB e vice-versa. Ouvir samples numa música popular não é mais um choque. Estão se esvaindo as fronteiras, os conceitos, os pré-conceitos, e o que permanece é o amor pela música, é ela em si, que a cada sinal de mudança reage e avança a passos serenos rumo a sua constante (r)evolução.

Clique aqui e baixe a coletânea que fizemos para exemplificar o artigo.

Um texto de Luan Barreto.

2 comentários:

Vivianne disse...

Adorei Luan!! ta de parabens ahahaha eu penso da mesma forma.

Luan Barreto disse...

Valeu, Vivianne ;)
Que bom que chegou ao fim do artigo. rsrs
Bjss